Palavras nuas....



Objetos...matéria morta...
Sem uso....em parafuso...
Fuso o horário...
Em calendário...em desuso
Bens...
Não te chamo de meu bem.
Sou livre das verdinhas...
Coloridinhas...
Em qualquer bandeirinha....
O diminutivo não te convém...
Minha indiferença...voçê tem...
Prefiro o nada...
Ser livre nessa estrada...
Escrevendo sem paradigmas
Sem bom senso...
Em enigmas...
Me expresso em liberdade...
Sem rótulos...
Minha verdade...
Nua...não sua...
Poesia...poema...prosa...música...
Dé o nome que quiser...
Não sei que tipo é...
Me julgue se te convinher....
Meu português é errado mesmo...
Sou gulosa...engulo letras...
Satizfaço a minha fome de expressão...
De ilusão...
Consumindo...e sendo consumida...
Pelas palavras...
Num orgasmo múltiplo...
De versos desconexos
O conveniente...é inconveniente.
Meu tempo tem a velocidade da luz..
Sou atemporal..
Gozo o agora..
O amanhã talvez????
Demora....
Sou louca...
Grito...fico rouca...
Nua escrevo....
Palavras nuas...cruas...
Vertendo sangue...
Do meu inconsciente...
Tão consciente...quanto inocente.
®IatamyraRocha



Comentários

Babi disse…
Nossa... q lindo!

Tocante... parabéns, Iatamyra!
Paulo Nayron disse…
E mais uma vez me causa inveja, essa é intensa, forte. Um dia quero escrever poesias e espero conseguir como você.

Abraços

Postagens mais visitadas deste blog

Mulheres poetas

Poemas: Fênix e Versos metafisicos

Lumes