Postagens

Mostrando postagens de Março, 2011

Silêncios

Imagem
Amo o silêncio
E seu sussurro tremule
A melodia do vento
O cansaço extenue.


O som da poesia
No seu passo secreto
Que me arranha a elegia
E impõe seu decreto.


O silêncio me despe
Rasgando as entranhas
Corrói-me e aquece
E no seu mar me banha.


Mistura seu hálito
Na minha boca sedenta
Tange-me a neblina
E no ar me sustenta.


Leva-me pra longe
Em brumas indecentes
Traduzindo meu peito
Em amores reluzentes.


Arde-me por dentro
E reflete por fora
O silêncio me usa
E seu eco me devora.
®IatamyraRocha


Pequena prosa [ Reminiscências]/Prisma


Transparências/Palavras ao vento



Dias e dias

Imagem
Tem dias que me calo    Tem dias de calor Tem dias de renúncias    Naquilo que eu sou.

Tem dias que escalo    E outros só cobertor Tem dias de minúcias    No tear do meu amor.

Tem dias que só falo    Encobrindo minha dor Tem dias de desculpas    Sem saber onde estou.

Tem dias que exalo    Do meu halo uma flor Tem dias de pronúncias    Que profanam o meu andor.

Tem dias que batalho    Uma guerra sem clamor Tem dias que sou núncias    Aliviando meu fervor.

Tem dias que trabalho    Minha poesia com primor Tem dias que só núpcias    Versam com louvor.

Tem dias de intervalo    Entre o lobo e o pastor Tem dias que abalo    Meus cristais e meu pudor. ®IatamyraRocha 
Amor de filme / Prisma
Prenúncio Poético / Palavras ao vento.

Oxi[gênios] / Afago na poesia

Imagem
"A poesia é só um meio que o universo usa para versar um BOM DIA."
®IatamyraRocha



Poetas de ontem :
Mario Quintana
Os poemas
Os poemas são pássaros que chegam
não se sabem de onde e pousam
no livro que lês.
quando fechas o livro, eles alçam vôo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto;
alimentan-se um instante em cada
par de mãos e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já está em ti.
Poema tirado daqui
Cecilia meireles Motivos Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa. não sou alegre e nem sou triste : Sou poeta. Irmão das coisas fulgidias, não sinto gozo e nem tormento. Atravesso noites e dias no vento.
Se desmorono ou se edifico Se permaneço ou me desfaço, -Não sei, não sei.Não sei se fico ou passo.

Versos ao mundo { Reciclando poemas }

Imagem
Fotografia de Sebastião Salgado
Candura a esse mundo triste De labores tão pouco férteis Que rasgam o céu em preces Ao ouro e a ambição.
O momento é vão O cronômetro gira o moinho E eu que faço em meu ninho, Se meu tempo se esgotou?
Mórbido caos no mundo Tremores,ranhuras,poço fundo Dói o peito, fecha a janela Na tela lágrimas e sofrimento.
Como ganhar passos na areia, Se Deus não ouve nossas ondas? Se os sinais fecham o cais, E o porto se desmancha a um sopro?
O natural choca Com sua crueza Nus todos nós estamos Alheios a certezas.
O vento leva nossa esperança E as crianças brincam lá fora Sob o olhar dos pássaros Que voam sem destino.
A natureza que inspira poetas Sangra e contrai seu ventre Com as punhaladas de poluição De nosso prazer inconsequente.
A terra canta melancólica A Ave Maria de Schubert O mantra Gayatri <

Aquarelas

Imagem
Se não fosse essa certeza
Que o caos me trouxe em naus
Eu não abriria as janelas
E as cores não saltariam
Em pinceis e aquarelas
Eu dormiria em mares
No balançar das ondas
Viveria em bares
Em eternas cirandas
Se não fosse essa certeza
Que me corrói o tempo
Minha vida assim seria
Impressa de lamentos
Mas a certeza vem
Como uma lança inflame
Penetra em meu peito
Mata-me, consome
Renasce em meus olhos
O brilho perdido

reFLORestar - Poética vaginal

Imagem
A poética de saia rosa choque
Ou eletrica de cores
Sobe o salto, desce o espartilho
Nina a rede e na rede rima
Vive o tempo que escorre
Por entrelinhas e acordes
Em atemporal vigília
Suspende os mitos
Ensina ao vestir fortaleza
Imersa em incertezas fluidas
Mulher doma conflitos
E sangra seus medos
Em constante calendário
Tece sua cama e seu intelecto
Com fios sutilosos e maculados
Dentro de escritos lendários
É vertente do pecado
Ou ao que o pecado converte
Soa música incógnita
Que encarcera e liberta
No reflexo que diverge
Seu verso é semente
Na vagina em festa
Parido de seu sagrado ventre
Que o mundo reFLOResta.
®IatamyraRocha
Pequeno conto de encontro/Prisma

Delta Picante e Guardados/Pó de poesias