Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2011

Habeas Corpus

Imagem
Meus olhos assustados
Na fresta da janela
O sol em conta gotas
Entra na sala em sentinela.

Cortinas sem vento
Fecham minhas pálpebras
Estáticas e cinzas
Amálgamas.

O sangue ainda no peito
Jaz sem suspiro
Coração oco
Pulsa intranquilo.

Quando foi que o matei?
Talvez no último beijo
Sem o veneno da paixão
Ou no tranquilo abraço
Sem uma gota de tesão.

O certo é que o amor morreu!
Acho que o assassinei
Por excesso de amor, talvez?
®IatamyraRocha

Gravitacional / Prisma


Só para poetar - Te amo

Imagem
Te espero descalça Coberta de lua Entregue a paixão Sedenta de ti Completamente tua.
A camisa ainda te espera Com botões novos cobertos de alfazema Pedaços de nuvens na primavera E o cheiro da minha pele morena.
O ontem floresceu nas cortinas Janelas abertas para o norte No horizonte não há mais neblinas Só meu amor no peito cantando forte.
Versos acompanham meus pés Descalços correm pro mar Reflexo azul no meu sorriso Estou inteira dentro do teu olhar. ®IatamyraRocha


A imortal Diva Cunha !

Imagem
          Com uma poética excepcional e uma relação forte com as palavras a professora aposentada de literatura Portuguesa no curso de Letras da UFRN [Universidade Federal do Rio Grande do Norte] e atual professora de História da literatura do Rio Grande do Norte e cultura Brasileira da UNP [Universidade Potiguar] é a mais nova imortal da Academia Norte Rio Grandense de Letras.        Diva Cunha é uma das mais brilhantes representantes da nova poesia Brasileira, sua poesia envolve o leitor com uma pureza de versos que exprimem os sentimentos mais comuns de uma forma firme sem perder a docilidade da sua essência, cito abaixo alguns poemas e links para nossa apreciação e deleite.
"Certas mulheres catam coisas pequeninas  conchas, feijões, letras outras distraem-se nos espelhos

contam rugas  algumas contam nuvens criam cachorros e gatos como crianças


certas mulheres guardam mágoas ressentimentos, botões, elásticos

algumas são como certos homens não contam nada ocupadas com coisas incontáveis.