Biossíntese










Nas minhas mãos
O lado preciso e gasto à esquerda
Na sintonia alongada e fina à direita
Ao verso linhas e vãos
Do meu amor na imensidão


Estendo os braços à ponte
Abaixo sinuoso abraço de um rio
Imersa em todo e qualquer horizonte
À vida por um cio

Há lado esquerdo nas asas
Embocadura direita à frente
Cantando hino e pausas
Em fado dormente

Enumero aqui alguns artefatos
Atos, fatos e hiatos natos
Carta náutica até então
Descrita acima pelas minhas próprias mãos        

- A vida se coloca na arte presente
Preenche a matéria e parte
De forma que nunca está ausente
num cinza que pulsa consciente

- Arma-se e desarma-se simplesmente
Na mesma pedra na mesma mente
Lapidando-se de forma congruente
Com ou sem rima aparente

- Antes o pôr do sol ilumina toda gente
Espalhando raios naturalmente
Até que a lua apareça indiferentemente
E estremeça seu brilho potente

- Há nos pés marés e lentes
Á vários pés experientes
Espumas e ondas correntes
Aprofundando bem rente

- Um mar traga ao peito quente
Perfeito leito percuciente
Escorre o trajeto permeavelmente
Que nem sempre sente

- Instinto do amor da gente
Pão do trigo e vinho indissoluvelmente
No tempo passado e futuro atualmente
Habita aqui no poema poente

E nos cabelos areia do vento
No tempo certo unguento
Caracóis de conchas apresento
N”algumas algas coloridas a contento

Tudo trás contentamento
Até no pálido cimento
Há canteiros arquitetos
Num canto bem atento

Voa alto dentro da escala
Obedecendo as características da nota
Abre as laudas se possível em alas
Assim o poema brota

Uma rima se faz etérea
Com a candura propicia de uma fera
Numa esfera inimaginável
De fé.
- Iatamyra Rocha 

 "Temos a arte para não morrer da verdade."
- Friedrich Nietzsche 




Comentários

Sempre um belo poetar. Parabéns. Desejo uma boa semana.

Postagens mais visitadas deste blog

Mulheres poetas

Poemas: Fênix e Versos metafisicos

Lumes