Bússulas



No corpo
só o vermelho
do escuro
gosto.

Toda raiz
e seu verso
plausível
de folhas.

No tempo
das bolhas
a escrita
dormia.

Toda a palavra
caia
em gotas de orvalho
diluídas
no papel.

Penso
que amar
não é só.
É o todo
molecular.

Plural
de línguas
mortas
amorfas
de uso.

Verbo
e diagramas
em crescente
fuso.

Não nado
por fruto
da força
mas forço
e ouço.

Mar
acima
perfuro
nuvens.
- Iatamyra Rocha

"Assovia o vento dentro de mim.Estou despido.Dono de nada,dono de ninguém,nem mesmo dono de minhas certezas,sou minha cara contra o vento,a contravento,e sou o vento que bate na minha cara."
- Eduardo Galeano


 

Comentários

Suzana Martins disse…
Uau!!! Recuperando o fôlego!

Quanta sedução, quanto amor, desejo... quantos versos rasgados num plural de amar!!

Lindo e encantador!!!

Beijos!!^^
Iatamyra Rocha disse…
Olá Suzana Martins,a poesia é isso fôlegos compartilhados, misto de sentimentos alados; amei seu comentário e nele o ato de respirar poesia me impulsionou esses versos traduzidos dos suas palavras.Bjs e seja sempre bem vinda !!!

Postagens mais visitadas deste blog

Mulheres poetas

Poemas: Fênix e Versos metafisicos