Cachoeiras

As vezes me surpreendo,tentando segurar o vento
Simples medo que ele me arraste para fora de mim
Como se eu não fosse um fragmento do tempo
E que o vento não me levasse no fim.

Flertando com o ocaso
Mas com medo de me entregar
Ignorando o acaso
E o vento,que me leva a algum lugar.

Sou uma simples poeira
De estrelas ou de luar
Uma alma de cachoeira
Que corre em direção ao mar.

As vezes me surpreendo
Sorrindo um sorriso duro
Sofrendo e nascendo
Em direção ao vento puro.
®IatamyraRocha

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mulheres poetas

Poemas: Fênix e Versos metafisicos

A República