Prelúdios









Minha coluna escorrega
Com teus apelos
Antes de mármore
Descansava lápide
Lábios turvos
Portes e zelos

Imóvel transcendia os campos
Cobertos de lírios e girassóis
Ansiava a volta
Com suas armas polidas
Suas mãos rudes
A tocar minha fria altura
Ferida sem voz

Há tempos voava teu rumo
Andava entre povos
Cortando a fio
um vento sem prumo
saudava tuas lembranças
traçando cada ponto da minha estrutura
desde criança
te via um em cada rosto
desejo pressuposto que ali estava
e me atava nesse poema
feita a terra,fogo e penas
rasgando o solo
fértil da última chuva

Vou aos poucos cedendo
Permeável a tua vontade
Na rigidez das luas
Deito um mar de fim tarde
Minhas águas nas tuas

Nesses dias de longe se ouvia
Duas linhas no horizonte
Firmes contornos de poesia.
- Iatamyra Rocha 


"A mulher deve escrever sobre si própria e levar mulheres a escrever."
- Hélène Cixous 




Escrita feminina

Escrever de mulher para mulher
Fêmea para fêmea
Num olhar de um só ser
Meia....meia.....
É vírgula em questão sobreposta
Subjetivamente é a proposta
Quadrante desfeito é hora da pergunta
Ainda têm jeito?
Avante sem esperas de salvações
Em todas as esferas propostas
As divisões
Um + um = ½
Num objetivo de lealdade
Feras de metades castas
Amplamente vastas          
Com um mundo na barriga
Não há espaço para guerras.
- Iatamyra Rocha




 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mulheres poetas

Poemas: Fênix e Versos metafisicos