Pontos



Quando criança
Queria atravessar
O canal da mancha
Nos setenta que me cabia.

Atravessei o tempo
Com toda esperança
Que ali havia.

Vi fontes, pontes, montes
Mortes, sortes, lotes.

Vi um homem
Cabelos soltos ao vento
Olhar perdido dentro
Do que eu via.

Esta mancha hoje grita
Um rio, um fio, desafio
Habita só a sobrevivência
De um Dio.

Versa A urgência
Da crença, da presença
Daquela inocência
De um povo que ouvia.

Cantos, mantos, santos
Prantos, tantos......

Enquanto poeta
Só Escrevo lento o dia
nesse fogo árduo
Que invento na poesia.
- iatamyra Rocha
 
 



"Sempre que possivel,
dê um sorriso a um estranho na rua.
Pode ser o único gesto
de amor
que ele verá no dia."
- Papa Francisco

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mulheres poetas

Poemas: Fênix e Versos metafisicos