Meu jeitinho brasileiro





Tó no jeito
Bem brasileiro
Só não peito
Esse tal de dinheiro

Sobe a bolsa
Acima do teto
E eu grifando trouxa
De capital aberto.

Ontem fui na feira
Era um tal de rito
Na geral inteira
Pra ver são Benedito.

Então tó radical
Minha mãe é que dizia:
Estude. E eu só levava pau
Era in formal de atitude.

E no jeito
Tó quebrando tudo
Causa do efeito
Global no mundo.

 O profundo votem bem
Na real dentro da urna
É só cara de pau que têm
Fundo pra fazer fortuna.


Sou mãe de universitários
Mas não ralei em Brasília
Meus filhos não são otários
E nem aquela bolha é ilha.

Tó ciente da fronteira
no jeitinho que USA
Sou mãe brasileira
E onde aperta eu sei.

Brasil escreve com S
A gente não dormiu
Vê se o esplêndido cresce
e sai do 22 de abril.

Aqui não cola boi de formol
A gente é feito de arroz e feijão
É vida de gado de sol a sol
Mas com liberdade de coração.

Terra das oportunidades
Verdadeiramente um sonho
na mente simplicidade
que aqui nos meus versos exponho.

Meu jeitinho brasileiro
de punho fechado
Para quem fala do meu traseiro
Estereotipado(zipado).
- Iatamyra Rocha 


"Hei mulher, o grito, união, perseverança, lutar, vencer, saber, viver, fé, compaixão, amor no coração!"
- Negra li




 







Andaduras

O céu não é o mesmo olhar
O céu é o mesmo que há
Dentro do que virá
Dentro do que sonhar.

O céu é eu e o semelhante
Que não é o mesmo céu
Mas olha também adiante
com sua andadura própria de elefante.

E quem pisa será pisado?
E quem desliza será perdoado?
Boto minhas ideias no papel
Cobro o preço do meu céu.

Sou poeta de verso alado
Rasgo forte meu coração
E Deus aqui lado a lado
Junto nessa oração.

Minha alma é cola de pedrinhas
Fragmentos de estradas
Céu de amarelinhas
Margens alagadas.
- Iatamyra Rocha

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mulheres poetas

Poemas: Fênix e Versos metafisicos