Interiores




No adorno do caminho
aonde dá pé?
onde as flores tecem o linho?
quem dera saber, só tenho fé.

Caminho meu pensamento
ora apressado, às vezes lento
paro as pétalas presa ao brilho
cintilo.

De que são feitas as minhas flores
será que todo dedo aponta espinho?
de que são feitas as minhas dores
será que todo medo anda sozinho?

Minha dobradura desordena o papel
vincos de toda altura no carrossel
moveis mãos na sobra da linha
amassam a mola da farinha.

Ainda a mãe vinda de mim
então me aparo e abaixo os galhos
grito aos ventos árduos enfim
resvalo.

Sou fêmea e meu leite é farto
fato que sacia minha fome
lírio branco veste-me no ato
no quarto de lua que me consome.

Aonde dá pé?
sinto a gravidade do mar
no ar há o aroma do café
e a poesia do luar.
- Iatamyra Rocha 


"Antes que o mundo acabe,
deita-te e prova
esse milagre do gosto
que se fez na minha boca
enquanto o mundo grita
belicoso...
e nos cubrimos de beijos
e de flores...
...antes que o mundo se acabe.
Antes que acabe em nós
nosso desejo."
- Hilda Hilst

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mulheres poetas

Poemas: Fênix e Versos metafisicos